21 de abril de 2011

Revendo Conceitos


Às vezes é preciso rever as antigas anotações pra reaprender como se segue em frente, porque às vezes esquecemos como se faz as coisas depois que tudo termina. E de vez em quando é muito difícil recomeçar, ainda mais quando não reconhecemos nossos caminhos.
Existem caminhos que trilhamos que nos levam tão rápido ao final que se torna difícil distinguir um novo início, então fazemos tudo errado. Tratamos o fim como se fosse mesmo o fim, e o início como se fosse ainda aquilo que estávamos terminando. Ainda estou aprendendo, como a maioria dos seres humanos nesse mundo louco e cheio de oportunidades malucas, e admito a vida não tem nenhum senso de responsabilidade por aquilo que nós aceitamos dela, ela nos joga decisões e insiste para que façamos o correto com as poucas opções que temos. O que acontece é que nós somos simples seres humanos, crianças brincando com armas. E isso é tão infantil quanto parece. Agora uma pergunta: Como na maioria das vezes você lida com suas dificuldades? É, você freqüentemente se descabela. Ou então você age como minha amiga, fomos de penetra num retiro espiritual de outra igreja, (isso quer dizer que não fomos ao retiro da nossa igreja! O que é feio e me deu enredo pra esse post, mas não tentem isso na sua casa espiritual!) então, no segundo dia pela manhã, nós acordamos bem cedo, não tínhamos dormido á noite, estávamos tentando nos manter acordadas pra fugir do “trote”, enfim, as 7h da matina, cedo pra quem foi dormir as 4h, a minha amiga começou a gritar desesperadamente dizendo que seu osso estava quebrado, ela causou um alvoroço e tanto, jogava as pernas em cima de mim que estava sonâmbula e das outras garotas do quarto e gritava desesperada dizendo que seu osso estava fora do lugar e doía muito, mas em cinco segundos de grito as 7h da manhã (demais pra mim!), me ocorreu que  podia ser cãibra e ela gritava que era o osso, - “onde dói amiga? –“no joelho”- ela gritava joelho, e apontava para a panturrilha, popularmente chamada de batata da perna, bem perto do joelho não!? Então com muito mau humor por que fui acordada por gritos, agarrei a perna dela e massageei a batata e o joelho voltou pro lugar! Irônico mas em certos momentos da vida agimos como a minha amiga agiu nessa situação, temos em nossas batatas da perna cãibra e insistimos em dizer que nosso joelho quebrou enquanto dormíamos, é claro se você tem algum problema ósseo grave, pode acontecer  que durante a madrugada você se quebre, caso contrário, tudo não passa de uma bendita cãibra, o fato é que na vida nós queremos tratar tudo como se tudo fosse o fim da picada, o fim do mundo, a última esperança,  a nossa sorte naquela manhã é  que no nosso quarto tinha uma jogadora de futebol o que nos ajudou muito no diagnóstico do problema, uma ótima equipe médica!  E quer saber, na vida temos a oportunidade de esbarrar com pessoas que nos dão a luz, é uma pena por que em 95% das vezes nós sempre as deixamos escapar. Sei que não devemos nos  culpar por isso, mas quando isso interfere no futuro deveríamos reconsiderar, nossa eu estava tentando me lembrar dessa palavra ontem a qualquer custo e não conseguia. Reconsiderar, na verdade reaprender deveria ter tudo haver com reconsiderar, tem gente que trata tudo como se a sua palavra fosse a de um rei mimado e sem consideração. Palavra de rei não volta atrás, um rei nunca muda um decreto, que coisa eu não sou rainha, vocês não são reis e rainhas e pelo amor de Deus. Se quisermos tirar algo de bom dessa jornada, teremos de fazer um brinde, (o primeiro dessa seqüência), um brinde a tudo que podemos reconsiderar nessa vida! E Bon Voyage a todos que decidem entrar pelo caminho da reciclagem de conceitos, não é ano novo, mas nunca é cedo ou tarde demais pra mudar tudo. Pra tanto ou para pouco basta uma atitude interior, e basta entendermos que a vida é curta, (não vou mais repetir isso nos meus post’s, pelo amor do Santo Cristo, está virando meu jargão), entenda que hoje; é só hoje mesmo. Se você pisca ele passa e te deixa. Se você fecha os olhos, você passa e não deixa nada do que se lembrar de você, mas se você escolhe passar devagar e observar e interagir, então muito bem, você descobriu o bem de se viver que é saborear! Espero que esse Seguindo em Frente faça o que a  equipe “médica” fez pela minha amiga, descubra o foco e acabe com a cãibra ...e mude algumas coisas por aí a fora... Um brinde a você Enjoy it!                                            
Bjus bjus   
Postar um comentário