29 de abril de 2012

Preciso de meia hora pra falar de amor

Preciso de meia hora pra falar de amor. Quase um ano, e essa palavra era proibida. Impronunciável. Do dia pra noite literalmente, ela tronou- se uma hipótese plausível e quase palpável de tão densa, extraordinária e inexplicável. Por esse motivo. Eu preciso falar de amor. Por que a boca só fala do que o coração está cheio. Então é isso. Eu pensei que dentro de mim havia apenas um filete inexpressivo, mas essa semana o filete tornou-se uma cascata.  A única explicação que me vem á mente é uma canção infantil cantada no desenho “A Bela e a Fera”, “sentimento assim, sempre é uma surpresa, quando ele vem, nada o detém, é uma chama acesa”.  São sentimentos ótimos, que contrariam entre si, e até parecem conversar. São pacíficos, mas inquietam, são seguros, mas assustam, são felizes, mas perturbam.  E como arrancam suspiros, não me lembro de suspirar tanto assim desde a 8ª série, o Djavan de repente vem aos meus ouvidos e me enche com suas melodias, virou fato. Estou apaixonada.  Guarde segredo. Esqueça todas as teorias hilídeas sobre o amor, apague os clichês, Romeu e Julieta, esqueça Orfeu e esqueça a Amélia... Eu estou tão feliz, dizem que o amor atrai.  Continuo concordando com aquele velho fato cerebral, de que o amor começa dentro das faculdades da mente. E como acabamos? Provavelmente nos braços do ser por quem temos o fatídico apreço. Chega a ser adolescente o fato de querer manter em segredo, um relicário, um tesouro, coisa que você demorou a encontrar, não deseja perder, cuidamos devagar, com delicadeza, pra não murchar, pra não desfazer, fechamos os olhos tantas vezes...  Olhando pra estrela pedindo: “Me atende, me atende, me atende”.  E o milagre chegou? Agradeça. Ai Obrigada. Não respirava aliviada desde... Desde sempre.  Vocês acreditam em almas gêmeas? Encontros marcados na eternidade? Eu sim. Romântico ou piegas eu acredito.  Sempre fui muito dura, rígida. A vida me quebrou, Deus me desfez e refez de novo. Só pra estar presente no dia em que eu diria... Obrigada, o simples fato da sua existência torna a minha existência em um significado.

BJus BJus
Postar um comentário