10 de agosto de 2013

[Série: ainda sinto o perfume dele]- Saudade

Pra onde você vai quando o mundo te faz uma proposta? Onde você desagua os teus prantos? Saudade da tua testa franzida de preocupações, das tuas frases feitas sem sentido, dos teus planos mirabolantes que me faziam sorrir, das nossas teorias compartilhadas, do antagonismo, da música quando nos tocávamos, das piadas. Pra onde o mundo te levou?, [ainda sinto o perfume dele], ainda estou com o café da nossa última vez nas mãos; um pouco estática, parada na porta do quarto, tentando entender quando ficamos tão distantes, tbm desconhecidos. Não faz sentido.
Eu fiz uma prece, você cantou qualquer coisa, me abraçou devagar, disse pra eu andar com cuidado, você já estava atrasado. Meu telefone tocou, meia hora depois, você se explicou, eu ignorei e nunca mais. Mais guardei sua mensagem... De um mês depois..."sinto sua falta, me desculpa por ter te chatiado".
O que a raiva faria por nós se não um mar onde se afogar? Queria um tempo pra voltar e dois pra esquecer, na impossibilidade dos dois, espero na chuva pra ferida estancar. Sempre te encontrava na água da chuva, na pressa do dia, agora passado, dois meses distante, sento na praça e escrevo ao ausente. Como sempre te desejo, feliz.
Postar um comentário