27 de dezembro de 2014

Algum destino




Os olhos estavam fixos em algum lugar do futuro. Ela olhava impaciente para a porta, a porta pelo qual seu destino entraria. Sua mente passeando por lugares que ela nunca foi. E ela se rendeu sem se dobrar, aos sonhos tão bem elaborados, sem nem se quer desconfiar que o destino a tinha em outros planos. E a luz continuava entrando pela porta, o sol aquecido entrava com a leve brisa do som de mais uma manhã. Pequenos feixes de luz encharcavam seus olhos recém acordados, feixes brilhantes e coloridos enchiam o quarto de luzes multicoloridas. Era possível ver em sua estante todos os livros que ela não leu e todas as coisas que ela escreveu. E era possível vê- lo bem ali encostado na porta, sorrindo. O destino havia lhe preparado nada mais do que uma maravilha. Algo que a fazia pensar que aquela vida existia sem existir. Algo que ela nem se quer podia em mil anos mostrar totalmente em gestos ou palavras. Algo só dela, só dele.
Postar um comentário