15 de março de 2015

Sem razão, sem motivo

Estou procurando a razão, mas não estou achando o motivo.

É uma daquelas alegações totalmente aleatórias pra quando eu não entendo porcaria nenhuma. E não estou falando da minha saúde. Estou falando das pessoas. Será mesmo que precisamos ser tão volúveis, frios e grosseiros? E por que eu tenho que ter essa percepção? Eu fico imaginando que as outras pessoas ao redor, não tem que entender nada sobre as outras pessoas, mas seria de muito bom tom que ao menos entendessem algo sobre elas mesmas. Assim, não tratariam as outras de qualquer maneira. Será que eu estou errada? Será que eu estou mandando uma indireta? Nem um e nem outro. Enfim, se uma pessoa passou por certas coisas na vida ou não, isso também não interessa. Gentileza, compaixão, bondade, amizade etc e tal... são coisas que aprendemos praticando com boa vontade, se for forçado perde a graça, me entende? Se praticamos só por religião, é frio. Se fosse só corporativo, seria morto. Tem que ter algo mais. Podemos escolher a maneira como lidamos com tudo. Se ficamos doentes, se ficamos pobres, se passamos fome, se o salto quebrou ou se o seu chefe não te deu bom dia, na verdade, é o que se tem por dentro que faz com que procuremos uma razão e um motivo pra coisas e atitudes que as pessoas tomam e não entendemos. Na verdade uma razão e dois motivos. Podemos brigar ou nos arrastar ou podemos aguardar pra que tudo volte ao lugar. Mesmo sem entender os motivos alheios. Respeito é a chave da vida, sabe?

Postar um comentário