7 de maio de 2015

Trecho de :[Alguém precisa acreditar no amor]


Ela tinha estilhaços nas mãos, olhava perplexa todo o sangue, que no entanto não vinha de suas mãos brancas e delicadas. O sangue vinha de seu peito. Suspirou fundo, o sangue vinha de seu peito vazio, pois ela acabara de rasgá- lo massacrando o próprio coração. Estava pálida quando caiu de joelhos e chorou. Ela tinha estilhaços nos olhos, seu coração descompassava, suas lágrimas vertidas eram puro sangue, o sangue contudo, não vinha própriamente de seus olhos, vinha de sua mente, pois ela estilhaçou a razão. Estava pálida, quando caiu de joelhos e sorriu.
Ela jamais precisaria amar com fragilidade outra vez, não seria mais amada por seus nobres e dignos sentimentos, pois o que era vridro se quebrou. E ele, ele jamais precisaria ter razão em tudo outra vez, não precisaria amar com desconfiança, nem pensar nas possibilidades, nas estatísticas. Pois o que era vidro.. .se quebrou. E quem pode, nas muitas cirandas da vida prever o amor? Quem ousa flagrar seus inícios, seus começos, remover suas pisadas, seus regressos? Logo o amor que dá meia volta, volta e meia... logo o amor que tu me tinhas, que era pouco, se acabou.
Ora queridos, nesse grande teatro que é a vida, ALGUÉM PRECISA ACREDITAR NO AMOR. Quer sejamos feitos de vidro, quer sejamos feitos de carne, alguém precisa se sacrificar. Pois o amor é o sobrevivente dos massacres que fazemos por querer alguém.

Postar um comentário