30 de janeiro de 2017

Compaixão


Como algumas coisas são brutais, não é mesmo? E existem pessoas muito brutas na vida. Sem compaixão uns com as outras. As vezes nós nos questionamos sobre, "com quem eu devo ser misericordioso e compassivo?". Com todos. Sim, compassivo com o que feriu e com o que foi ferido. Com o que deu e com o que tomou, com o que bateu e com o que apanhou. Mas então você refletiria: "Se eu for compassivo com o que fez o mal, não haverá o reparo do dano, nem a justiça para o ato.", veja por outro ângulo, é a compaixão que impede da justiça ser temerária, pesada e arbitrária. A compaixão nos ensina a ter o coração sempre livre para perdoar as ofensas. Jesus nos ensina, no Pai nosso, a arte da compaixão, quando diz: "Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos aquele que nos tem ofendido.", por muitas vezes, nós nos esquecemos que Deus nos trata com a mesma benevolência com que tratamos nosso próximo. Quando foi a última vez que você ajudou a alguém necessitado? Quando foi que doou um agasalho ou visitou alguém doente? Quando foi que conseguiu olhar um mendigo e por baixo da sujeira, enxergar o homem? Quando foi a última vez que acalentou alguém angustiado, que ajudou alguém a carregar um fardo? Uma palavra amiga, um gesto carinhoso. Quando foi a última vez que você sentiu compaixão? Eu não estou falando de religião, estou falando de amor. Professar o amor por quem nos agrada, é extremamente fácil, o desafio é fazer isso por quem contraria nossas vontades e ainda por cima ter que renunciar nosso orgulho. Alguns diriam que só Deus pode fazer isso, os ateus diriam que nem Deus. O mundo não precisa de mais armas, o mundo precisa de compaixão.
Postar um comentário