17 de março de 2017

Sobre comida: O que comer pra ser feliz e o que comer pra se satisfazer?




"Quem se alimenta bem, é por que está feliz", reza a lenda.


Eu e meu marido, temos um ritual "pela manhã", que faz todo sentido pra nós dois, e conversávamos sobre isso outro dia. Eu não sou o tipo de pessoa que aprecia dividir a mesa (minha mesa e minha comida, minha casa, minha vida), com "personas non gratas". Pelo contrário, quando sento a mesa pra partilhar uma refeição, a minha felicidade não reside apenas na comida oferecida, mas no ato de compartilhar um momento com alguém a quem eu amo. Neste caso, a felicidade, não está na comida em si, neste caso há uma satisfação da fome, pela comida, e uma felicidade em estar com alguém. Existem momentos, no entanto, que mesmo com fome, o máximo que alcançamos em comer é essa satisfação de saciar a fome, é um ato, que não trás em si, felicidade. Agora, se me perguntam, o que comer filosoficamente, pra ser feliz? Eu diria: "coma livros, eles matam a fome do saber". Mas como estamos falando de comer literalmente comida, eu recomendo, comer o que faz bem, com uma pitadinha do que satisfaz, tipo: Arroz, feijão, beterraba, alface e bife com batata frita, tudo bem temperado, por favor. Mas quer ser feliz? Coma o mesmo cardápio com a mesa rodeada por pessoas com quem você sempre prazer em estar. Comer batata doce, faz alguém feliz? Comer jiló, faz alguém feliz? Não, não faz, mas satisfaz a necessidade do corpo pelos nutrientes que estão contidos nestes "legumes", o que faz feliz, repito, é sentar- se á mesa, com quem temos prazer em compartilhar o momento de uma refeição saudável. As pessoas, constatemente buscam a felicidade, em coisas, em momentos, mas eu contradigo tudo, dizendo que o que faz a alma feliz, o que satisfaz a alma, é buscar a felicidade primeiramente em Deus, depois em si, e finalmente nos outros. A felicidade, assim como o amor, precisa de um corpo físico pra se instalar e fazer morada, uma morada saudável, onde o corpo se beneficie da felicidade, a saúde do espírito, e tão importante quanto a física. A satisfação, depende de uma oportunidade e um momento pra ser saciada. Nenhuma satisfação dura para sempre, logo o homem conquista novas satisfações que substituem as antigas, isso é o que eu diria no caso de uma satisfação não literal. Pra uns, satisfação ao comer, trata- se apenas de matar a fome, não importando o cardápio, pra outros, o ápice da satisfação do paladar, está em saborear iguarias, e como eu já disse e novamente repito, a satisfação na hora da refeição, não se atrela á felicidade com o que se come e com quem se compartilha, a satisfação é um mero prazer, como uma coceira de mosquito, que coçamos, coçamos, coçamos, até ter uma espécie de orgasmo da coceira, então, a coceira passa. A Felicidade, a partir da sua escolha, pessoal e intranferível, permanecerá para sempre, ou sendo reproduzida com o prazer da partilha do que se come, ou com a lembrança do momento compartilhado.
Postar um comentário