25 de fevereiro de 2012

Teorias

Em toda viajem que eu faço, seja para bem perto, ou para bem longe, eu tenho uma vaga teoria, a sensação que poderia ter alguém mesmo que do outro lado da cidade, esperando meu retorno, ansioso por me ligar. Sempre eu que eu coloco as malas na porta, eu paro por 5 minutos, e respeitando essa teoria eu olho para o céu, admiro o que há e entro em casa sabendo que é impossível que alguém me ligue. Mas é sempre bom voltar pra casa. O lar é pra onde fugimos quando o mundo nos ataca, e essa é mais uma das minhas teorias. O lar é qualquer lugar onde existem pessoas que nos amam, e onde podemos ser quem somos, sem corte, sem pausa, sem máscaras. Amo a ideologia do lar... ideologia? Não pegou bem... amo a teoria do lar me soa melhor, parece menos comercial, mais intimista. Conheci uma pessoa certa vez, e ele detestava tanto meu cabelo quanto minhas teorias, acho que ele tinha medo que as minhas ideias "revolucionárias" e meus ideais "politicamente corretos" fizessem que ele admitisse ter caráter e escrúpulos. Águas passadas, me lembrei dele por que a mãe dele foi o mais próximo que cheguei da minha teoria do lar onde se pode refugiar e ser quem é sem medo. Quando eu for mãe, serei como ela. É, vocês bem que poderiam ter fotografado meu breve sorriso. Não sei o que há comigo hoje! Segunda- feira vem chegando e vou precisar encarar os tubarões. Oremos para que o jogo de cintura não seja perdido, jamais!
Bjus Bjus
Postar um comentário